Resenhas – Blah Cultural

Helen Fielding retorna à narrativa da controversa e engraçada vida de Bridget Jones. A personagem cheia de dramas traz suas milhares de preocupações no

O Diário de Bridget Jones de Hellen Fielding é o retrato da mulher moderna solteira na faixa dos trinta anos com todas as suas

E eis que o gigante, ou melhor, a caveira, finalmente acordou!!! Desde seu surgimento, a editora Darkside Books nos deu algumas belas surpresas e se firmou,

Philip K. Dick é O CARA! Não é a toa que ele é um dos autores “preferidos da casa” aqui no Blah Cultural (como diria

"A tecnologia humana era boa, e no quesito arsenal os seres humanos estavam tão bem equipados quanto a grande maioria de seus adversários. Mas

A obra mais aclamada de Miguel de Cervantes é iniciada por um prólogo que leva o leitor às etapas do processo de criação do

Loung Ung era uma criança de classe média que vivia feliz com sua família no Camboja. Porém, tudo mudou dramaticamente em abril de 1975,

Há muitos anos venho ouvindo falar do livro Um Estranho Numa Terra Estranha, de Robert A. Heinlein, que havia ajudado a pavimentar o caminho

"Eu não temerei. O medo é o assassino da mente. O medo é a morte pequena que traz a total obliteração. Eu enfrentarei meu medo. Permitirei que ele passe

A psiquiatra Natalia Timerman trabalha no Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário de São Paulo (SP) desde 2012.  Parte de suas experiências foi retratada na

"Mulheres Perigosas" é uma coletânea de contos diversos que trazem personagens femininas as quais fogem dos clichês criados pelo romantismo conservador. Com uma edição

Em um texto publicado no Suplemento Pernambuco, o tradutor Daniel Dago conta um pouco sobre os desafios para realizar seu sonho de publicar uma

O Cambista do Cais do Porto de J.C. de Toledo Hungaro é uma ficção que conta a história que muitos passam nos dias atuais,

Quem é o melhor autor de livro de auto-ajuda que você conhece? Alguns podem dizer que é Augusto Cury, outros apontam Lair Ribeiro, enquanto

“O Purgatório é onde você desfaz o livro da sua história de vida” Com essa frase inicial a personagem perpetuada por Chuck Palahniuk – literalmente–

Condenada por Chuck Palaniuk não é nada do que se pode esperar de uma leitura normal, a menos que o leitor já seja um