Especial dia dos Namorados | 10 filmes para você assistir com o seu amor! – Blah Cultural

Especial dia dos Namorados | 10 filmes para você assistir com o seu amor!

A celebração máxima dos pombinhos compromissados. O dia dos namorados se aproxima nas terras tupiniquins, e para aqueles que vão ficar em casa com sua alma-gêmea (seja uma pessoa ou aquele pedaço vistoso de pizza, na ode à solidão), nada melhor do que um bom filme.

O cinema é maravilhoso em todas as formas, e no romance, não poderia ser diferente. Mesmo considerado um gênero que algumas pessoas torcem o nariz, é inegável sua quantidade de clássicos. Por isso, selecionamos para vocês, 10 belíssimas indicações de romance para você se apaixonar (ainda mais).

1 – E o vento levou (1939)

Nada melhor do que começar com um clássico. No entanto, se filme de romance sofre preconceito, imagina os românticos e antigos! Mas vamos deixar essa bobagem de lado e ingressar na enorme epopeia de Scarlett O’Hara e Rhett Butler no apogeu da guerra civil americana. Considerado por muitos o maior romance do cinema (e para alguns o maior FILME do cinema), o longa é estatisticamente o segundo filme mais visto pela humanidade. Ou seja, se você não viu, vacilo.

A adaptação do livro homônimo traz um romance a frente de seu tempo. Uma mulher independente e sagaz, mostra toda sua garra e inteligência para reverter os acasos da guerra. Buscando casar com seu par perfeito, ela passará por inúmeras desventuras, até encontrar o amor nas mãos de um cafajeste de primeira linha.

Caso já tenha visto e gostado, recomenda-se:

-Casablanca

-Doutor Jivago

-A felicidade não se compra

2 – Diário de uma paixão (2004)

Se quiser falar de amor, fale com o Marcinho, ou com Nicholas Sparks. O autor best-seller por trás de inúmeros romances icônicos, atinge seu ápice em Diário de uma paixão. Segundo uma pesquisa norte-americana, o amor de Noah e Allie é o filme mais querido das mulheres do ocidente.

A história tocante contada pelo protagonista já velho em um asilo, relembrando sua vida pelas páginas de seu diário, emociona e funciona ainda hoje. Tanto o livro quanto o filme alavancaram de vez o autor, com a química impecável de Rachel McAdams e Ryan Gosling (que se odiavam e xingavam no set, mas chegaram a ficar juntos depois do lançamento).

Caso já tenha visto e gostado, recomenda-se:

-Um amor para recordar

-Querido John

-P.S. Eu te amo

3 – 10 coisas que eu odeio em você (1999)

Shakespeare sem dúvida é um sinônimo clássico de amor. O mestre das peças e sonetos não para de pintar nos cinemas com belas adaptações de suas obras. Uma das mais queridas, sem dúvida, é a Megera domada. Adaptada até mesmo para novela brasileira (O cravo e a rosa) a trama da donzela impossível de ser conquistada instiga e encanta leitores até hoje.

O clássico americano, estrelado por Julia Styles, um jovem Joseph Gordon-Levitt e nosso eterno Heath Ledger, criam uma intriga memorável e clássica da sessão da tarde. Com momentos memoráveis, a história acompanha o drama de um casal apaixonado, cuja moça só pode namorar se sua irmã assim também o fizer. O que seria extremamente fácil, se ela não fosse um ser de gênio tão forte e incompreendido.

Caso já tenha visto e gostado, recomenda-se:

-Romeu+Julieta

-A garota de Rosa Shocking

-Gatinhas e Gatões

4 – Closer – Perto demais (2004)

Existem alguns níveis de romance que devem ser enxergados. Existem aqueles mais bobos e divertidos, uns mais “água com açúcar”, alguns mais dramáticos, adolescentes… E existem os romances adultos. Aqueles filmes que mostram uma relação como ela é, sem ter amarras, censuras ou vergonhas. Aquele romance que dói, machuca e que te lembra como a vida é.

Closer se encaixa nesse quesito, num drama forte, sobre a cruel vida extraconjugal. Jude Law, Natalie Portman e Julia Roberts, costuram uma história de encontros e perdas, com personagens inesquecíveis e uma trilha de cortar o peito. Sem mais delongas, apenas assistam.

*Este filme não é recomendado para se ver em casal em casa de brigas recentes.

Caso já tenha visto e gostado, recomenda-se:

-Se enlouquecer, não se apaixone

-Um dia

-Último tango em Paris

5 – Brilho eterno de uma mente sem lembranças (2004)

Se não devemos julgar um livro pela capa, também não devemos julgar um filme pelo seu nome. O terceiro filme da lista lançado em 2004, segue a vibe mais madura e dramática numa incrível trama de romance e ficção científica. Joel e Clementine exploram a enigmática dúvida: “Se você pudesse apagar alguém da sua memória, você o faria? ”.

Uma história sobre momentos e sentimentos, com camadas e mensagens que te farão sair renovado. Um Jim Carrey longe de seu palco de comédia, comanda o drama de decisões erradas, e sobre como aprendemos mesmo nos momentos ruins.

Caso já tenha visto e gostado, recomenda-se:

-Procura-se um amigo para o fim do mundo

-Show de Truman

-Foi apenas um sonho

6 – Lisbela e o prisioneiro (2003)

Voltamos um ano no passado e vamos para o grandioso cinema nacional. Brasil não apenas se faz de samba e futebol, mas também de um povo apaixonado. O roteiro afiado de Guel Arraes nos traz um faroeste nordestino engraçadíssimo, com o amor proibido de Lisbela e Leléu das moças.

Fugindo de um marido ciumento e matador, os amantes apaixonados por cinema viveram uma das maiores aventuras do cinema nacional. O ar teatral do filme encanta todas as idades de forma atemporal e que merece ser revisitada.

Caso já tenha visto e gostado, recomenda-se:

-O auto da compadecida

-O coronel e o lobisomem

-O casamento de Romeu e Julieta

7 – Dirty Dancing: Ritmo Quente (1987)

Mesclar música e cinema é uma tarefa fácil. Mas não foi tanto assim escolher seu representante. Se aventurando nos anos 80, vamos à mais um clássico da sessão da tarde. Uma história de amor e música recheiam o amor de Johnny e Baby. O clássico amor proibido, se mescla em uma trama séria sobre censura, aborto e autoconhecimento. Os temas sérios discutidos nesta divertida trama, completam este filmaço que ficou eternizado por “Time of my life” (música escrita para o filme). Patrick Swayze e Jennifer Grey eternizam o romance mais dançante do mundo da lambada, sem ser exatamente um musical.

Caso já tenha visto e gostado, recomenda-se:

-Grease – nos tempos da brilhantina

-Moulin Rouge – O amor em vermelho

-La la land: Cantando estações

8 – Meu primeiro amor/ABC do amor (1991/2005)

Tá, eu sei que prometi que seriam apenas 10 filmes, mas as próximas posições cabem uma dupla indicação.

Ainda se aventurando na sessão da tarde da década passada, temos 2 clássicos e fofos romances entre crianças! O delicado amor infantil de primeiros namoradinhos é abordado de forma genial e que sempre será relembrado com esmero e carinho. Em meu primeiro amor, acompanhamos a história pela visão de Vada, que conhece e se apaixona por Thomas J. Assim como no já citado “10 coisas que eu odeio em você”, o filme se ganha por uma incrível cena de recitação de poesia, e por como abordar delicadamente temas tão pesados.

Já ABC do amor, aposta na comédia de um garoto de 12 anos sofrendo as dores do amor juvenil. Com o clássico choro por Rosemary, a trama narrada por Gabe Burton traz um ar divertido, atualizando a história contada 14 anos antes. Apesar de muito menos trágica.

Caso já tenha visto e gostado, recomenda-se:

-Os batutinhas

-Meu primeiro amor 2

-A nova cinderela

9 – Simplesmente amor/Questão de tempo (2003/2013)

O escritor de “Um lugar chamado Nothing Hill” surpreende os amantes do cinema romântico com 2 produções impecáveis e marcantes. Simplesmente amor, considerada a comédia romântica definitiva, aposta no modelo “Multiple Story-lines movie”. Ou seja, temos ali várias tramas isoladas, sobre uma mesma temática, que correm juntas e ocasionalmente se mesclam. Com um elenco mega estrelado, o filme de Richard Curtis nos demonstra inúmeras formas de amor demonstradas próxima ao Natal. Amor de amigos, no trabalho, em outra língua ou durante a gravação de um filme bastante inusitado, completam este filme obrigatório para este dia dos namorados.

10 anos depois, Curtis retornaria com a difícil tarefa de mesclar ficção científica com romance. Apesar de um desafio parecido com o já citado “brilho eterno de uma mente sem lembranças”, aqui temos o artifício da viagem no tempo, empregado de forma orgânica e sutil. Explorado de forma tão suave, que chega a ser crível, o amor de Mary e Tim traz mensagens belíssimas e um casal que está fadado a se tornar um grande clássico moderno.

Caso já tenha visto e gostado, recomenda-se:

-Um lugar chamado Nothing Hill

-Magnólia

-Meia-noite em Paris

10 –  A trilogia do “Antes”(Antes do amanhecer/Antes do pôr-do-sol/Antes da meia-noite) (1995/2004/2013)

Pessoalmente já anuncio a vocês que, este é o meu romance preferido do cinema. A trilogia escrita e dirigida pelo grande Richard Linklater me surpreendeu de forma inenarrável, e continua ainda hoje todas as vezes que reassisto. Lançados de 9 em 9 anos, o filme acompanha o casal Jesse e Celine em três momentos diferentes de sua relação, enquanto os atores envelhecem e amadurecem junto com os personagens.

Antes do amanhecer, mostra o encontro do casal, onde o galã vivido por Ethan Hawke, convence uma desconhecida a descer com ele do trem em Viena, para que passem um dia inteiro juntos. A jovem francesa vivida por Julie Delpy aceita a proposta do estranho, e juntos vão seguir um romance com prazo de validade, mas ficará para sempre na memória.

O filme surpreende por descartar a maneira convencional de roteiro, e cria um longa baseado inteiramente no diálogo do casal, enquanto passeiam pela cidade. Intimista, revelador e diferente, o filme de Linklater enriquece o expectador numa experiência única, que faz qualquer um se sentir como um dos protagonistas.

O roteiro escrito em conjunto entre os atores e o diretor, aumentam a intimidade dos personagens com o público, e mais tarde continua a surpreender e emocionar com suas excelentes sequências. Se for para salvar apenas uma indicação da lista, junte sua namorada (ou seu pote de sorvete) e maratone Antes do amanhecer, Antes do pôr do sol e Antes da meia-noite.

Comentários do Internauta

Comentário(s)

Compartilhe